Artigos
&
 
Colunas

Lilibeth Cardozo

Joaquim ou Maria

Dedicado a meus filhos Helena e Guilherme

Hoje aqui veio minha filha. Uma mulher de trinta anos. Veio com seu marido, que me trouxe flores. Trouxeram com eles um pequeníssimo embrião, talvez um coração menor que de um passarinho, mas pulsando. Vieram me mostrar meu neto, ainda impossível de ver, mas já brilhando nos olhos de seus pais.

Arquivo Pessoal

A alegria, que há muitos meses tinha indo embora da minha alma, sempre brincando de se esconder entre minhas lágrimas e sorrisos, encheu meu corpo de vida e esperança.

A continuidade da vida depois das mortes de meus irmãos encheu minha casa de pulsações que virão: uma criança, choros, sorrisos, continuidade e vida que se renova.

Impossível não amar de pronto esta criança: meu neto, um escrito novo de esperança.
Joaquim ou Maria: já o vejo sorrindo, brincando, cantando, aprendendo e sendo. Esta sementinha com vida me emociona, faz-me continuar, querer e sorrir.

Amar de extremoso amor. Eu canto, mesmo sem voz, cantigas de ninar. Minha filha, mulher que gera, mãe de seu fruto de amor maior. Refaço a vida, dedico sonhos de amor eterno. Desdobro as páginas das lembranças e me dedico com textos curtos os 57 anos que vivi. Beijo a memória onde estão escritas minhas páginas de mulher. Meu primeiro neto, filho de minha filha une os aros e faz perpetuação. Hoje nele já bate um coração, e eu, avó, rezo uma oração.

artigos anteriores de Lilibeth Cardozo

Publicado em – Edição 117
Aniversariando sexagenária
Publicado em – Edição 116
Santa Maria, rogai por nós
Publicado em – Edição 115
Um passeio pela Urca
VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 0.0/5 (0 votes cast)

Um Comentário para “Joaquim ou Maria”

Deixe um comentário