Artigos
&
 
Colunas

Ana Flores

Deu pango surupango na memória

“Uma velha tinha 9 filhas / Todas a fazer biscoito / Deu pango surupango numa delas / E das 9 ficaram 8… / Essas 8, meu bem, que ficaram / foram cortar confete / Deu pango surupango numa delas / E das oito ficaram 7…”. E assim por diante, continuava a história que eu ouvia na minha infância: as filhas remanescentes iam aprender francês, comprar um brinco, ao teatro, jogar xadrez, passear nas ruas, sempre dando pango surupango numa delas, e rimando com o número das que restavam. Até que… deu pango surupango na minha memória! Nunca mais consegui me lembrar aonde as duas filhas foram quando “deu pango surupango numa delas / e das duas ficou só uma.”

Na hora de contar pra minha neta, resolvi encaixar “Essas duas, meu bem, que ficaram, / foram pra Inhaúma” (!?!) que rimou lindamente com “e das duas sobrou só uma”. E no final, também invento “Essa uma, meu bem, que ficou, / foi pro Cinema Estação (!?!) /, Deu pango surupango na coitada / e acabou-se a geração”.

Haja invenção pra não quebrar o clima lúdico na hora de contar a história. Quem criou essa brincadeira certamente não falava de Inhaúma nem do Cinema Estação, que não entravam na história quando eu contava para as minhas filhas.

Resolvi, então, perguntar ao Tio Google, que tudo sabe e tudo ensina, e lá veio a resposta: “Essas duas, meu bem, que ficaram / foram brincar na espuma” (yeah!), deu pango surupango numa delas / e das duas ficou só uma”. Agora sim!

Quanto ao Cinema Estação, acho que vai ter que ficar assim mesmo, para rimar com “e acabou-se a geração”. Porque a versão que o Tio Google mostra é “Essa uma, meu bem, que ficou / Era muito boazinha / Deu pango surupango na coitada / E a velha ficou sozinha”.  Hmmmm… Não me lembro desse final assim. Vou ficar com o Cinema Estação até descobrir a versão da minha infância.

Mas tudo bem. Quando minha neta contar para os filhos e os netos e esquecer alguma frase, quem sabe também vai apelar para sua criatividade ou para o site de busca do tempo dela? Isto se até lá não der pango surupango na internet e todos já estiverem se comunicando por telepatia ou outro bicho qualquer, do qual não faço a menor ideia do que seja.

artigos anteriores de Ana Flores

Publicado em – Edição 114
Desculpe, mas é que…
Publicado em – Edição 113
Primeiras noções
Publicado em – Edição 111
A Paz Não é Prêt-à-Porter
VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 5.0/5 (1 vote cast)
Deu pango surupango na memória, 5.0 out of 5 based on 1 rating

Deixe um comentário