Educação
&
 
Conhecimento

Falando sobre limites com Cesar Ibrahim

Uma das maiores dificuldades na educação consiste nos pais saberem dosar amor e permissividade com limite e autoridade. Saber dizer não, criar regras e horários, contrariar os desejos dos filhos, impor limites, são tarefas complicadas, mas importantes, no desenvolvimento dos filhos. Claro que surgem muitas dúvidas: “Será que estamos agindo certo? Por que ele não nos obedece? Quando pode fazer bagunça? Será que o caminho é esse?”.

Texto_Paulo Wagner

Visando embasar os pais e familiares com informações e vivências, a escola infantil Espaço Envolvimento, na Gávea, promove periodicamente ciclo de palestras trazendo profissionais e especialistas para falar sobre educação. O objetivo é proporcionar uma reflexão sobre determinado tema, uma troca de opinião. A Folha Carioca esteve presente na palestra do psicanalista Cesar Ibrahim, que tem um extenso trabalho com crianças, adolescentes e família. Ele iniciou sua apresentação afirmando que a educação, os cuidados e a atenção que uma criança recebe até os cinco anos de idade terão um efeito decisivo sobre seu futuro. Entretanto, para o palestrante, o amor, o afeto, o diálogo dos pais não são elementos suficientemente capazes de dar conta da constituição de seres humanos saudáveis nos tempos modernos.

– Não basta amar nossos filhos, provê-los de todo conforto, dar boa alimentação, educação e valores morais, colocá-los em escolas de excelência, para que tudo dê certo. Isso não é suficiente para que eles tenham uma vida adulta saudável e se desenvolvam emocionalmente de modo satisfatório. O grande pilar da educação bem sucedida e da construção da lucidez está na capacidade do indivíduo de desenvolver gradualmente a renúncia a prazeres imediatos. Para isso a criança precisa ser contrariada, precisa ter limites.

Limite é uma palavra que tem, muitas vezes, uma conotação negativa, ligada à repressão, proibição, interdição. No entanto, limite é algo muito além disso: significa a criação de um espaço protegido dentro do qual a criança poderá exercer sua espontaneidade e criatividade sem receios e riscos. O limite é, fundamentalmente, contato, presença e proteção por um lado e, por outro, a apresentação progressiva da realidade através das inevitáveis e necessárias frustrações.

É necessário enfatizar que os filhos pedem limite e que isso os ajuda a organizar seu raciocínio. A falta de limites na infância é consequência, em maior ou menor grau, de dificuldades dos adultos, pois nenhuma criança nasce com a noção de limite. Os pais, às vezes, não o colocam por comodidade, pois impor limites significa conter a criança, suportar suas reclamações, choros e protestos, enfim, enfrentar dificuldades. Por outro lado, os pais de hoje trabalham mais e passam menos tempo com os filhos, em comparação a gerações anteriores. A mãe, que antes ficava em casa e transmitia valores, agora trabalha fora. Em decorrência disso, grande parte das crianças é criada por babás, avós, e os pais, para compensarem a falta na vida diária da criança, façam todas as suas vontades e comprem tudo para elas. Outra situação bastante comum é quando chegam do trabalho, ambos estão cheios de culpa pela ausência e, para minimizar esse sentimento, tornam-se muito permissivos. Por trás disso, há uma grande insegurança na forma de educar e, consequentemente, não conseguem dizer não aos filhos. Alguns pais se tornam tolerantes demais, alegando que o tempo é escasso e que preferem curtir os filhos em vez de fazer exigências, cobrar. Esquecem que esse tempo de envolvimento e convivência é precioso para a formação dos filhos. Nessas poucas horas disponíveis, é preciso ter postura, mostrar com exemplos e atitudes o que é certo e errado.

Cesar Ibrahim disse que os pais precisam assumir o seu lugar de autoridade. Segundo ele, autoridade não pode pedir licença para ser exercida. A criança, para crescer saudável, precisa aprender a conviver em grupo, socializar e aceitar as regras que os pais determinam: ter hora para dormir, para brincar, para comer, para estudar, de usar o computador etc. E complementa o raciocínio:

– Gostaríamos que nossos filhos fossem blindados do ponto de vista físico-emocional para que as dores do mundo não os atingissem. Entretanto, a construção da saúde mental dos nossos filhos passa irremediavelmente pela necessidade imperiosa de contrariá-los.

Durante sua palestra, o psicanalista deixou claro que não existem receitas únicas, pois as características familiares e individuais divergem de um contexto para outro. Deve prevalecer o bom senso. As frustrações e gratificações devem estar em equilíbrio. Cesar Ibrahim concluiu a palestra dizendo:

– Se não plantar, não vai colher. A tarefa de educar é repetitiva, recorrente, cansativa, mas que não há alternativa senão estabelecer uma relação de contenção aos filhos de modo que eles possam avançar na direção do mundo real de uma maneira cada vez mais autônoma. A travessia da privação começa na infância. Os pais devem exercer a autoridade e colocar limites desde o começo. Limites coerentes, é claro, nos momentos certos e bem dosados, sempre exercitando o equilíbrio entre a liberdade e a responsabilidade.

MATÉRIAS ANTERIORES DE Educação & Conhecimento

Publicado em – Edição 114
Publicado em – Edição 114
Algumas expressões…
Publicado em – Edição 114
Muito a contragosto…
VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 0.0/5 (0 votes cast)

Um Comentário para “Falando sobre limites com Cesar Ibrahim”

  1. Thanks for sharing excellent information. Your web site is very cool. I am impressed by the details that you’ve on this site. It reveals how nicely you perceive this subject. Bookmarked this web page, will come back for more articles.

Deixe um comentário