Artigos
&
 
Colunas

Oswaldo Miranda

E aos Reis Magos nada? Tudo!

Eram três sábios, chamados Baltazar, Gaspar e Melquior. Do primeiro se sabe alguma coisa, tirada de uma Bíblia popular. Era da geração dos nabucodonossores, tinha pedigree, pois. Sua história diz que os inimigos sitiavam a Babilônia e que Dario se apoderara do reino. Baltazar aumentara consideravelmente os enormes muros que Semiramis mandara edificar, muros estes que por muito tempo foram considerados uma das maravilhas do mundo. Fico por aqui com Baltazar.

Gaspar, partira com ele e Melquior lá dos confins de Arábia, com o mesmo objetivo – adorar o Messias em Belém. O trio chegou lá 13 dias depois do nascimento de Jesus, caminhando no rumo de uma estrela extraordinária, de brilho fulgurante e que surgira no céu por obra e graça de um fenômeno.

Assim chegaram à Judéia. Sim, mas é bom dizer que antes tinham estado com o poderoso Herodes, o mandachuva da área, que já andava as tantas com a possibilidade do nascimento do Messias, o Salvador, ideia que o atormentava…

Augusto já mandara fazer um recenseamento geral, todas as famílias tendo de assinar – pai, mãe e filho. Recurso para pegar a Família Sagrada. Golpe baixo que José e Maria conseguiram superar, Maria já recolhida a uma cocheira como esconderijo ideal, longe da patuleia de Herodes.

Perdido em seu projeto, o cara mandou matar todas as crianças nascidas naquele tempo, o que diz na Bíblia ter sido o Massacre dos Inocentes. Ia me esquecendo. Heródes pedira aos Reis Magos que o procurassem, depois que voltassem de Belém, recurso para saber se era mesmo o Messias que nascera, pois ninguém poderia ser mais poderoso do que ele. Mas Baltazar, Gaspar e Melquior, que não eram bobos nem nada, se mandaram, deixando o Herodes sem a informação, o que levaria seus soldados a eliminarem a criança nascida da Virgem Maria. Frustração total. Herodes ficou uma fera.

Os três Reis Magos presentearam o nascituro com ouro, incenso e mirra, retirando-se depois de cumprida sua santa missão. Mirra é uma planta medicinal cheirosa.

Não sei se contei bem a história, ocorrida há exatos dois mil e doze anos, num 25 de dezembro, que no tempo do aramaico devia ter outro nome.

Por isso é que digo: e aos Reis Magos, nada? Tudo, pois não fosse sua intuição e sua malandragem, o Menino Jesus, o Messias, o Salvador, não teria crescido e feito Homem para levar sua palavra de fé e esperança mundo afora, na criação do Cristianismo.

Deu na mídia

DESTAK: “Virgindade de brasileira é leiloada por um milhão e meio de reais. O lance foi de um japonês de nome Natsu e ocorreu num voo entre Austrália e os Estados Unidos, para fugir às leis contra exploração sexual. A coisa faz parte de um documentário Virgins Wanted, que inclui entrevistas antes e depois de uma moça e um rapaz perderem a virgindade. A moça é Catarina Migliorini, de Santa Catarina.” Zuenir disse que o hímen está custando caro assim porque é um bem em extinção… e eu diria: tudo tem seu preço…

ISTO É – Capa: “Como vivem hoje os assassinos que foram condenados por crimes que chocaram o país? Paula Thomas matou a atriz Daniela Perez a tesouradas, passou seis anos presa, mudou a cor dos cabelos e hoje passeia pelas ruas de Copacabana e Ipanema.” Mudou a cor dos cabelos…

BAND – CQC: Juca Kfoury dizendo que agora o consolo do Palmeiras é torcer contra o Corintians no Japão…

O GLOBO: “Elefante imita a fala humana. O vocabulário de Kishik tem cinco palavras em coreano: annyong, olá; anja, sente-se; aniys, não; nuo, deite-se e choah, bom. As falas são com a tromba, na boca”. Se o som da voz de Kishik for proporcional ao seu tamanho, haja ouvidos. Por outro lado os papagaios não gostaram nada da notícia, já que falar como nós era exclusividade deles…

DOS JORNAIS: “…café com leite na veia… vaselina líquida confundida com soro fisiológico… sopa na veia”. Menu hospitalar…

SUCESSO POST MORTEM: É minha saudosa amiga e parceira Janete Clair, lá de onde está, ainda concorrendo com novelistas de outros países, e com o seu “O Astro” ensejando à Globo, conquistar o Emmy, o Oscar da televisão. Sensacional!

HOJE: “De outubro para cá, 741 mortos nas ruas!” Não, não é Palestina versus Israel, não, gente, é São Paulo mesmo, aqui ao lado!

RÁDIO JB-FM: “Morreu Delegado, o famoso sambista da Mangueira.” Foi-se o mestre-sala que, acolitando suas muitas porta-estandartes – com elas bailando, elegante, levitando – eternizou-se na mitologia do carnaval.

TODA MÍDIA: “FIFA selecionou Neymar como autor do mais bonito gol do ano”. No jogo mil da seleção ele mandou um penalti para o espaço passando a ser o jogador com o gol mais perdido da história do futebol- uma caixinha de surpresas, como se diz…

Minha vida é andar por este país…

Terminada a entrevista ele me levou à porta de saída, depois de deixar a sanfona no sofá:

– Obrigado meu filho. Deus te acompanhe. Volte sempre. Tá aqui meu cartão…

artigos anteriores de Oswaldo Miranda

Publicado em – Edição 117
Osmar de Guedes Vaz, gozador contumaz…
Publicado em – Edição 116
Balzac no carnaval
Publicado em – Edição 115
What a wonderful world!
VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 0.0/5 (0 votes cast)

Deixe um comentário