Artigos
&
 
Colunas

Ana Flores

Bem-vindos, welcome, bienvenidos etc

Milhares de turistas brasileiros e estrangeiros chegam todo ano ao Rio para conhecer ou rever a cidade. E fazem muito bem. Todos os habitantes deste planeta, pelo menos uma vez na vida, deviam passar uns dias por aqui.  E conhecer ao vivo como esta cidade merece ser vista, sentida, aproveitada e admirada por qualquer mortal que acredite piamente na impermanência de tudo e que, por isso mesmo, sabe que aproveitar bem cada momento é preciso.

Você é um desses turistas? Então tenho algumas sugestões para sua passagem pelo Rio. Pegue sua companhia e vamos lá. O passeio poderia começar com uma ida ao Paço Imperial e visita ao Museu Histórico Nacional, enquanto ouvem um bom guia contar, entre outras coisas, as histórias dos fantasmas que habitavam – ou habitam, ainda los hay – o pátio dos canhões. Aliás, peçam a ele para mostrar outros lugares igualmente mal-assombrados do Rio. São muitos.

Depois dessas visitas sinistras, vocês vão querer amenizar a alma, e a pedida é almoçar em Santa Teresa. Vão até o Largo dos Guimarães para provar os petiscos dos vários restaurantes dali. Vai ser difícil escolher, mas vale uni-duni-tê. Ou podem ir a todos, provando a entrada em um deles, a salada em outro, e assim por diante, até a sobremesa e o cafezinho. E terminem o dia no agito, no bom sentido, da noite da Lapa, debaixo dos Arcos, ouvindo e curtindo o bom e velho chorinho. É a cara do Rio.

Se conseguirem acordar bem cedinho, caminhem circulando a Lagoa Rodrigo de Freitas – mas pelamordedeus, sem celular nem relógio, não é hora nem lugar para essas bobagens de tempo e negócios – acompanhando o sol nascer por trás das montanhas. Depois, lambuzem-se de protetor solar e sintam a maresia no rosto e na alma ao longo da orla carioca. Mergulhem no mar, andem pela areia ou pelo calçadão das praias (eu ia dizer “mais lindas do mundo”, mas os outros brasileiros vão me chamar de bairrista), tomem muita água de coco e à tardinha provem a caipirinha – comecem pela autêntica, s´il vous plait, com cachaça e limão. Depois, se quiserem, vão experimentando os outros sabores, desde que vocês estejam próximos ao seu hotel para não darem vexame ou comprometerem o resto da programação carioca. E a qualquer hora, aproveitem os sucos que proliferam por aqui, dos sabores mais tradicionais aos mais exóticos. Ninguém vem aos trópicos impunemente. E sabem aquele sol que vocês viram nascer de manhã? Pois olhem pra ele agora, escondendo-se devagarzinho por trás dos Dois Irmãos, em Ipanema. Se quiserem, aplaudam com os outros. Ou simplesmente deixem o queixo cair em paz e agradeçam por estarem vivos.

No outro dia, lambuzem-se de repelente contra mosquito e vão comer um peixe fresquinho em Guaratiba, logo depois do Recreio, além de pastéis de camarão (cheios de camarão, vê se pode!), um chope bem gelado e muita conversa fiada. Voltem por Grumari e, please, logo depois de passar pela Prainha, lá no alto da curva, antes de começarem a descer pela orla, prendam a respiração e preparem-se para uma das mais deslumbrantes paisagens oceânicas que vocês já viram. Parem para admirá-la com calma e sintam como a vida é bela. E aproveitem o momento para agradecerem ao universo por estar conspirando a seu favor.

Em Vila Isabel, na Zona Norte, tirem uma foto ao lado do Noel Rosa de bronze e do garçom que sempre lhe trazia uma boa média não requentada. Degustem um bom bacalhau em São Cristóvão e visitem a Feira do Nordestino ali perto. Se der, assistam a um clássico do futebol carioca no Engenhão e experimentem o calor das torcidas.

Ah, quando voltar ao Rio, traga amigos, para que eles também possam curtir a Cidade Maravilhosa em todos os seus recantos e encantos.

artigos anteriores de Ana Flores

Publicado em – Edição 114
Desculpe, mas é que…
Publicado em – Edição 113
Primeiras noções
Publicado em – Edição 111
A Paz Não é Prêt-à-Porter
VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 0.0/5 (0 votes cast)

Deixe um comentário