Artigos
&
 
Colunas

Arlanza Crespo - Quem é Quem

“Família que se retira vende…”

Os sexagenários,como eu,hão de lembrar de um anúncio comum nos classificados, que dizia “família que se retira vende…”. Eu ia sempre com meu pai, acabei me viciando em comprar coisas de segunda mão e continuo frequentando leilões até hoje.Nunca mais vi esse tipo de anúncio,pensei até que tivesse acabado,até que conheci a Beth.

Beth Borges é carioca, tem 64 anos, três filhos e quatro netos. Mora no Jardim Botânico, onde tem sua venda em garagem há 20 anos. Bibliotecária de formação (trabalhou 25 anos na UFRJ e também no laboratório Roche), acabou tendo que mudar sua vida por causa de falecimento de marido e mudanças econômicas no país. Ao vender sua casa de praia e sua casa na Serra viu-se diante de um problema: onde levar o recheio das duas casas? Acabou indo tudo para a casa onde ela mora até hoje,no Jardim Botânico. Lembra que às 11 horas da noite ainda tinha sobrado um piano. Surgia então a “Venda em Garagem”. Beth já era conhecida no bairro por causa do seu pai que era farmacêutico.” Eu era a filha do seu Pedro da farmácia,e com isso herdei a clientela dele,de três gerações.Deus sabe o que faz,a gente é que não entende!”

Com a garagem superlotada abriu seu negócio no dia 12 de outubro, dia de N. Sra. Aparecida,que a protegeu e protege até hoje.Logo no dia da inauguração chegou um jornalista da Revista de Domingo, do Jornal do Brasil, para fazer uma matéria.O resultado foi uma loucura!Quem estava dentro não saía, quem estava fora não entrava!

Um dia, em 1995,uma amiga lhe perguntou: “vendi o apartamento do meu avô, posso trazer as coisas pra cá?”Mas a Beth não tinha espaço.Foi quando ela lembrou do velho anúncio”família que se retira vende…”,foi até o apartamento e fez a venda lá mesmo.Deu certo.Outras amigas pediram a mesma coisa,os pedidos foram aumentando, Beth chamou os filhos para ajudá-la e pronto, estão fazendo esse tipo de venda em residência até hoje.

Beth encontrou a solução para um problema que muitos de nós vamos passar um dia. Imagina herdar um imóvel recheado de objetos comuns e tendo que alugá-lo para pagar o condomínio, IPTU, taxas ou mais o que seja enquanto não se resolve o inventário? Só que para alugá-lo você tem que esvaziá-lo correndo, mas não quer jogar as coisas fora, porque mal ou bem valem um dinheirinho. É aí que a Beth entra. Ela conversa com os herdeiros, faz o levantamento das peças, fotografa, marca a data, manda o convite para os clientes cadastrados (e isso é muito importante) e vende tudo num só dia. O trabalho da Beth é tão organizado que tem uma fila de apartamentos esperando para serem agendados. Atualmente ela faz de duas a três vendas por semana,e quem quiser ir é só se cadastrar. Cadastrado, você recebe o convite por e-mail,com endereço, fotos e preços das peças que estão à venda. Então é só comparecer no dia marcado,pegar a senha,entrar na fila,esperar a equipe abrir a porta e pronto… Tenho que certeza que você vai ficar freguês! E clientes um dia, quem sabe?

artigos anteriores de Arlanza Crespo

Publicado em – Edição 117
Quando você vende músicas, você vende sonhos
Publicado em – Edição 116
Vencendo barreiras sempre
Publicado em – Edição 115
Vivendo e aprendendo
VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 0.0/5 (0 votes cast)

Deixe um comentário