Saúde
&
 
Bem-estar

O cuidado de si e o controle da ansiedade

desespero_mulher_relogiostexto_Mary Scabora*

Diferentemente do homem primitivo, a interpretação de perigo para o homem moderno transcende a vida biológica. Perigo é também interpretado como a impossibilidade de realizar desejos e suprir necessidades.

O homem da sociedade contemporânea interpreta também como perigo as perdas: de status, poder econômico, de conforto, de afeto etc. O perigo se relaciona com a impossibilidade de concretizar e a incapacidade de criar. A dor que tem como ‘raiz’ o medo, muitas vezes é gerada pelo desconforto causado pela sensação impotência diante de determinadas situações que são inerentes à vida.

Para alguns, lidar com a mudança, com situações desconhecidas ou lidar com o outro na adversidade são motivos para ativar estados que desencadeiam quadros ansiosos. São sensações que se intensificam gerando excitação corporal e aceleração mental. Esta dinâmica é sentida como negativa e desorganiza os processos de pensamento comprometendo a capacidade de raciocínio lógico. Na maior parte das vezes vem acompanhada da sensação de incapacidade para lidar com o futuro e medo de fracassar.

A vida moderna é competitiva e cria demandas. Com a tecnologia desenvolvemos outra relação com o tempo, a sensação de que tudo é efêmero e urgente. Os estímulos são muitos e a mente exige elaborações e soluções rápidas, o que favorece quadros de ansiedade.

Muitas pessoas não conseguem identificar a ansiedade. Sentem-se angustiadas, inseguras, percebem as alterações físicas como vertigem, aperto no peito, alterações respiratórias e cardíacas, e neste estado tentam encontrar uma lógica para esta sensação. Não compreendem o que sentem, pois aparentemente está tudo bem e apesar disso a pessoa sente como se alguma coisa terrível fosse acontecer. Diante da inabilidade de reconhecer e lidar com a ansiedade, o conteúdo pessimista torna-se atuante, agravando o quadro.

Quando isso acontece em níveis demasiadamente intensos ou com maior frequência, tende a determinar mudanças no comportamento. Muitos buscam um jeito rápido encontrar alívio através do consumo abusivo de bebida, comida, drogas e medicamentos ou comportamentos como roer unhas, falar demasiadamente e outros que dão a ilusão de conforto e alivio. Em casos em que a ansiedade se torna crônica, pode desenvolver transtornos como o pânico, fobias, TEPT (Transtorno por estresse pós-traumático), transtorno obsessivo compulsivo (TOC), etc.

Conhecer e saber lidar com a ansiedade é fundamental, pois ela é considerada a causa mais frequente para os distúrbios psicossomáticos. Muitas vezes, a intensidade da ansiedade perturba o funcionamento do organismo: aparelho digestivo (gastrite, náuseas); aparelho respiratório; alergias e afecções cutâneas, assim como distúrbios alimentares, de memória e funções sexuais.

Em doses adequadas a ansiedade aumenta a capacidade de realização do indivíduo e prepara para a ação. Graças a ela criamos possibilidades e nos organizamos nas relações que estabelecemos com tudo que diz respeito à vida, ao amor e ao trabalho.

Para isso faz-se necessária uma educação emocional. O trabalho psicoterapêutico possibilita a elaboração  e o desenvolvimento de técnicas para reconhecer, identificar e lidar com a ansiedade e suas repercussões

Desta forma, a pessoa estará exercendo o cuidado de si como prática de vida. Aprender a voltar seu olhar para si, examinar-se, observar os pensamentos, as ações, perceber o corpo, se pensar como um todo no todo. É um exercício constante de autoconhecimento e aprendizado.

*Psicóloga Clínica:
www.scabora.com.br

MATÉRIAS ANTERIORES DE Saúde & Bem-estar

Publicado em – Edição 117
O cuidado de si como prática de vida
Publicado em – Edição 117
Vamos acabar com o mito
Publicado em – Edição 117
Mulheres equilibristas
VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 0.0/5 (0 votes cast)

3 Comentários para “O cuidado de si e o controle da ansiedade”

  1. […] Conhecer e saber lidar com a ansiedade é fundamental, pois ela é considerada a causa mais frequent… […]

Deixe um comentário