Artigos
&
 
Colunas

Ana Flores

Desperdício humano

Já falei sobre isso em outra crônica, mas volto ao assunto, ainda lamentando o desperdício de crianças e adolescentes sem eira nem beira, desaproveitados e desconhecendo seus próprios talentos que não aqueles dirigidos a delitos. Hoje me refiro especificamente aos que são jogados em instituições cuja finalidade é “formular e implantar programas de atendimento a menores em situação irregular, prevenindo-lhes a marginalização e oferecendo-lhes oportunidades de promoção social” (Lei Estadual 1.534 de 27/11/1967), mas que na sua maioria não passam de um depósito de seres humanos. Nestes, os internos passam grande parte de seu tempo planejando a fuga ou especulando sobre como vão se dar bem quando fizerem 18 anos e se reintegrarem à bandidagem.

ana_flores_109Lugares como essas instituições, com estrutura semelhante à de um colégio interno, teriam tudo para ser o local certo para uma autêntica reabilitação, com atendimentos adequados, cursos bem montados e oportunidades para que se descubram aptidões e talentos nos internos, mas não o talento da esperteza e da vingança contra os que os mantêm ali.  Tanto nas instituições para meninos como nas de meninas, todos eles menores e já infratores, nem mesmo eles desconfiam que são músicos, técnicos, dançarinos, atores, atletas, professores, escritores ou outros profissionais em potencial. E é nesse potencial não descoberto que estão ao mesmo tempo o problema e a solução.

É problema porque a realidade continua mostrando o lado podre dessas vidas. Por que tão raramente se veem artistas e profissionais que descobriram seus talentos nessas instituições, mas lê-se aos montes sobre criminosos e delinquentes que tiveram passagem por elas? E é solução porque é esse mesmo potencial que pode ser captado, estimulado e trabalhado pelos educadores das instituições que realmente queiram fazer um verdadeiro trabalho de recuperação com os internos.

Os nomes dessas instituições já foram muitos e sempre bem intencionados. Mudam-se as siglas, mas mantém-se o estigma de escolas do crime, de maus tratos, de celeiros de pequenos bandidos que agem como tais na própria instituição e que em pouco tempo atingirão o ápice da carreira marginal. E, o que dá mais vergonha: isso tudo depois de passarem por lugares criados e mantidos justamente para que eles possam ter treinamento adequado para se reintegrarem como cidadãos à sociedade de onde saíram.

No momento em que tão oportunamente se chama a atenção sobre urgentes medidas contra o desperdício de papel, de comida e de recursos naturais do planeta, bem que se poderia incluir nesse foco o desperdício que acontece sob nossas vistas com adolescentes que poderiam ter acesso a alguma oportunidade para se tornarem homens e mulheres de bem.

artigos anteriores de Ana Flores

Publicado em – Edição 114
Desculpe, mas é que…
Publicado em – Edição 113
Primeiras noções
Publicado em – Edição 111
A Paz Não é Prêt-à-Porter
VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 0.0/5 (0 votes cast)

Um Comentário para “Desperdício humano”

  1. SANDRA disse:

    REALMENTE,ENQUANTO NÃO FOR FEITO UMA REFORMA PEDAGÓGICA
    NAS INTITUÇÕES NÃO TEREMOS ADULTOS RESPONSÁVEIS E DO BEM.

Deixe um comentário