Artigos
&
 
Colunas

Carmen Pimentel - Língua portuguesa

A, ante, até, após, com, contra, de, desde, em… preposições, para que te quero?

tabelaCircula no facebook o quadro abaixo com dicas de regência verbal. Isso me fez pensar sobre o uso das preposições. As preposições atuam como elementos de ligação, conectores, e, nesse papel, apresentam valor semântico. Mas parece que andamos nos esquecendo disso…

 

Então, vamos lá!
Preposição é a palavra que estabelece uma relação entre dois ou mais termos de uma oração. Essa relação estabelece uma dependência entre os termos, ou seja, o sentido da expressão é dependente da união de todos os elementos que a preposição vincula. Esse tipo de relação é considerado uma conexão, em que os conectivos cumprem a função de ligar elementos. A preposição é um desses conectivos e se presta a ligar palavras entre si, estabelecendo determinado valor semântico. Para esclarecer, vejamos os exemplos:
(1) Carlos comprou uma prancha de surfe nova.
(2) Maria ganhou uma calça de veludo cotelê.
(3) Ana viajou de navio.
(4) Adoro filmes de mistério.

Nas frases, as palavras sublinhadas são preposições: “de”. Mas em cada uma delas, a relação de sentido que se estabelece entre os termos é diferente. Observe:
Em (1), “de” estabelece valor de finalidade: a prancha é para surfar; em (2), a relação é de material do que é feito; em (3), o valor é de modo, o meio de transporte utilizado para viajar; em (4), a ideia é mostrar o assunto.

Se alterarmos o segundo elemento, o valor também se alterará: calça de trabalho, por exemplo, passa a ser a calça usada para trabalhar (finalidade). Em prancha de madeira, mostra o material de que foi feita a prancha. Enfim, as preposições não são usadas de qualquer forma. Existe um objetivo, um sentido na escolha que fazemos pela preposição a ser utilizada na construção da expressão.

A isso se dá o nome de regência. Regência porque, na relação estabelecida pelas preposições, o primeiro elemento – chamado antecedente – é o termo que rege, que determina; o segundo elemento, por sua vez – chamado consequente – é o temo regido, aquele que cumpre o estabelecido pelo antecedente.

Volta e meia, alguém diz:
“Liga no meu celular pra gente combinar.”
O que acontece com essa frase que me chama a atenção? O uso inadequado da preposição!
Vejamos, então:
O verbo “ligar”, no exemplo, tem sentido de telefonar. A preposição que completa a ideia de telefonar é “para”, que dá ideia de destino: “Veio para casa”, “Telefonou para Maria”. “No” = em + o. “Em” é preposição com ideia de lugar onde se está: “Estou em casa”, “Estou na praia”.

Logo, a melhor opção é “Liga para o meu celular…”. Pra quê? “Pra gente combinar” – olha o “para” aí com ideia de finalidade…

Então, volte ao quadro, analise as expressões e não corra mais o risco de escolher a preposição inadequada!

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 0.0/5 (0 votes cast)

Um Comentário para “A, ante, até, após, com, contra, de, desde, em… preposições, para que te quero?”

  1. Camila disse:

    Muito bom,Ajudou em meu dever de casa. :D

Deixe um comentário