Artigos
&
 
Colunas

Oswaldo Miranda

S. Excia. Embaixador Vinicius de Moraes

Vinicius-de-MoraesDo famigerado AI-5, do ditador Costa e Silva, à Lei 12.265/2010 passaram-se alguns anos. Aquele, assinado pelo marechal; atingia entre outros o nosso poeta e imortal compositor Vinicius de Moraes, cassado e obrigado a se aposentar da carreira diplomática sofrendo na pele o que tantos outros sofreriam nos anos de chumbo, A lei referida, corrigia uma tremenda injustiça, pois viria reparar o castigo imposto ao poeta naquela onda de cassações produzida. pela generalada. Morto, Vinicius readquiria a condição de ministro de primeira classe, embaixador, sim, sua Excelência, Embaixador. Nem sei se devo lembrar que, quando incluíra Vinicius no grupo de vítimas o marechal teria se referido a ele como “… aquele vagabundo…”. No seu entender são assim os boêmios, os que sabem gozar as liberdades da vida, os noctívagos, os amantes, os intelectuais, os poetas… Vinicius… 1967.

Na celebração, Lula, então presidente, deu uma placa comemorativa a Georgiana, uma das filhas do poeta, em ato a que estiveram presentes a neta Mariana e da parceira e cantora Miúcha, enquanto rodava um fragmento do filme Vinicius, de Miguel Faria, e era lembrada a poesia, Operário em construção, que, certa vez o Poetinha declamara para Lula, aquele do ABC, não o de hoje…

x x x

Eu com Vinicius só uma vez. Depois de programa, do J.Silveste, na TV-Itapoã, em Salvador, ficamos no hotel para voltar ao Rio dia seguinte. Vinicius estava no hall. Foi um Deus nos acuda. Juntou um montão de gente ao redor. Um sarau, Vinícius poetando, contando causos, cantando, momento maravilhoso, com whiskey, sim, ora…

Alguém se lembrou de um dia em que ele esteve em Ouro Preto, quando alunos de uma faculdade lhe pediram um improviso. Ficou assim e ele declamou, depois de um gole: Com Vinicius em Ouro Preto / Beber, beber demais / Quando a bebida acabar / Foi Vinicius de Moraes…

Agora reproduzo um original registro litero-gastronômico, que ele dedicou a Helena Sangirardi. Helena era pessoa popular na cidade, como mestre em culinária, com livros de receita e programa na televisão, casada com Sangirardi Junior, grande publicitário e produtor do primeiro programa cultural na TV, o Céu é o limite, na TV-Tupi, em 1956, com J.Silvestre. Foi meu colega na TV.

O poema saiu na revista Carioquice, da Fundação Ricardo Cravo Alvim. Diz assim: ”Amiga Helena Sangirardi / Conforme um dia eu prometi / Onde, confesso que esqueci / E embora – perdoe – tão tarde / (Melhor do que nunca!) Este poeta / Segundo manda a boa ética / Envia-lhe a receita (poética) / De sua feijoada completa / Os elementos componentes / De um saboroso refogado / Tais: cebolas, tomates, dentes / De alho – e o que mais for azado / De carne-seca suculenta / Gordos paios, médio toucinho / (Nunca orelhas de bacorinho) / Que a tornam em excesso opulenta / Tudo picado desde cedo / De feijão a sempre evitar / Qualquer contato mais… vulgar / Às nossas nobres mãos de seda”.

Esta, no dizer de Vinicius, a Feijoada à sua moda. Pois é. Carnaval está chegando e já sei que a União da Ilha vai ter seu enredo a ele dedicado. É certo que fartos elementos não faltarão aos compositores do samba para desfilar na Sapucaí na homenagem à Sua Excia., o embaixador Vinicius de Morais, parte das muitas outras que lhe estão sendo prestadas a propósito do centenário de seu nascimento, na Gávea, em 19 de outubro de 1913. Sabem este som que vocês estão ouvindo agora? É o tilintar das taças de champanhe, se chocando no brinde que acabei de levantar para o aniversariante, senhor Marcus Vinicius da Cruz de Mello Moraes, ou melhor, o popular Poetinha…

Errata: O texto publicado na edição de setembro passado “O Dr. Ulysses e os Três Patetas” saiu truncado. Pedimos desculpas aos leitores. Eis o correto:

… Quando morreu o ditador Costa e Silva, havia um vice-presidente, o deputado Pedro Aleixo, a quem fora confiada a redação de um novo texto constitucional. Lógico, ele assumiria. Coisa nenhuma! Um civil, um paisano na presidência? Instituíram, então, uma junta militar que durou até que viesse um novo ditador, o general Emílio Garrastazu Médici, que colocou como vice o Rademaker.

Tal junta militar ficou assim: general do exército Lyra Tavares, almirante de esquadra Augusto Rademaker Grunewald e marechal do ar Narcio de Souza Mello, de acordo com o Ato Institucional (mais um!) n° 12, de 31-8-1969. Inconformado, Ulysses não conteve sua revolta e do alto de sua indiscutível autoridade, classificou-os de Os Três Patetas, protestando contra mais um ato arbitrário dos militares. Era uma ilação com os famosos comediantes que no cinema ficaram famosos fazendo rir as plateias de seus filmes de estripulias nas décadas de 50, 60… Eram eles os irmãos Moe, Larry e Curly, três idiotas a serviço do melhor humorismo. Em tempo: foi Ulysses que falou…

Abilio_Diniz
Abílio Diniz

Ele deixa o Pão de Açucar. Vai agora para o Corcovado ou o Dois Irmãos…

DEU NA MIDIA

justica“Réus levam a melhor com os embargos infringentes, provocando novo julgamento do Mensalão, o maior escândalo da história”.

De repente, os surpreendentes

Embargos infringentes…

Nos trens, pendurados, os pingentes –

Que os protejam os embargos infringentes.

Nos negócios, fracassam os gerentes?

Que se lhes apliquem os embargos infringentes…

Há os que se promovem como competentes…

Desmascará-los com embargos infringentes?

Hospitais tratando mal seus pacientes –

Alívios pra eles com embargos infringentes.

Foliões no carnaval, sempre contentes –

Fantasias de embargos infringentes!

Nos prostíbulos, cenas indecentes –

Coisa comum em tais ambientes…

Cabem embargos infringentes?

Escolas pagam mal corpos docentes –

Olha ai os embargos infringentes.

Na Justiça, juízes inconvenientes?

Pra eles embargos infringentes.

Nomeações, atos de Dilma, inconsequentes?

Valem ai os embargos infringentes?

No Planalto, falham sempre os assistentes?

Venham outros, sem embargos infringentes.

Barroso, Teori, Rosa, Toffoli – persistentes.

Tal como Lewandowski – incongruentes…

Joaquim e Luiz Fux, sempre prudentes,

Também Marco Aurélio, Carmen Lúcia, Gilmar – bem incontundentes

Acima dos embargos infringentes.

Que se aplauda os ministros coerentes –

Que abominam os embargos infringentes!

Então, fiquem todos bem cientes:

Lei 8.038, 1990, Artigo 43 –

Suprem em decisão sem precedentes.

Advogados – anéis bem reluzentes…

Faturando com embargos infringentes.

Celso de Melo, o Decano, nas tangentes,

Detonou os embargos infringentes –

Seis a cinco, com forças influentes…

Réus com pizzas, juízes prepotentes,

Maculando as togas pertinentes!

artigos anteriores de Oswaldo Miranda

Publicado em – Edição 117
Osmar de Guedes Vaz, gozador contumaz…
Publicado em – Edição 116
Balzac no carnaval
Publicado em – Edição 115
What a wonderful world!
VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 0.0/5 (0 votes cast)

Deixe um comentário