Arte
&
 
Cultura

Haron Gamal

Novelas de Vereza flertam com o realismo fantástico

haronVários narradores à beira da oralidade

Noveleletas, de João Paulo Vereza (Ed. Record, 191 páginas) é um livro composto por cinco pequenas novelas, todas ambientadas longe dos grandes centros, em flerte com um regionalismo inusitado e quase atemporal. As histórias apresentam personagens telúricos e sonhadores, não deixando de lado a relação de poder entre proprietário e empregados nem a religiosidade do homem do povo. Ao mesmo tempo, os textos transitam em meio ao que se costumou chamar de realismo fantástico, provocando desfechos em aberto, que torcem o trágico na direção de possíveis finais felizes.

A primeira história, “O trem nascente”, começa com uma cantiga, que retorna e se interpõe aos vários trechos da narrativa, como uma espécie de ciranda. Tal estratégia alivia os momentos de tensão e desvia de modo inteligente o foco do enredo a outros segmentos, revelando e ampliando fatos que pouco a pouco tornam o leitor prisioneiro do texto. A primeira parte, em forma de um falso diálogo (apenas um dos personagens fala e pressupõe a escuta de outro), apresenta um morador do lugarejo tentando negar informações a um recém-chegado que pergunta sobre o Almirante, uma espécie de mandachuva local. Mas este narrador, com o intuito inicial de nada falar sobre tal personagem, elogia-o tanto que acaba produzindo um efeito contrário: deixa à mostra toda a crueldade do “senhor”. Esse foco não é, no entanto, o que há de maior na novela, mas sim a habilidade do autor em transitar por vários tipos de narração, partindo da fala de personagens, poemas, monólogo interior e narrativa em terceira pessoa.

O mistério da “Barra Pequena” é a segunda novela e, talvez, a mais pungente. Inicia-se em forma de diálogo entre um pescador e seu Vianna, o proprietário local, dono de terras e de quase todo o comércio da pequena cidade. Uma vez que chega sem os peixes, o pescador é acusado de bebedeira. Mas este teria testemunhado a aparição de um monstro no mar, que lhe teria roubado todos os peixes. Entrega um bilhete onde está escrito “Deutilande”, palavra a princípio misteriosa, mas que depois revelará grande parte da violência que a narrativa comporta. A seguir a história passa a ser narrada por um jovem órfão de mãe, cujo pai é alcóolico e violento. O aparecimento de um padre, homem de intensa alegria, mudará o destino desse rapaz. O religioso contrasta a todos os princípios severos da Igreja, assinala o prazer como realização máxima e afirma que o ser humano já não carrega o pecado, mas, ao contrário, tem todas as possibilidades, desde que saiba apreciar tudo que a vida lhe tem a oferecer. A narrativa empreendida pelo garoto soa plena de desejos e descobertas. Na verdade, torna-se quase um pequeno romance de formação. Primeiro é o amor pela menina Laura, depois, vendo-se só devido ao desaparecimento do pai, apega-se ao irmão mais velho. Mas esse quer ser soldado e parte para a guerra. A Segunda Guerra Mundial. Por isso a pungência da história. Quase totalmente desamparado, com apenas a figura do padre a lhe insuflar que todo homem é responsável pelo seu destino, esse narrador quer descobrir o mundo. No final, novamente o desfecho em aberto e a presença do realismo mágico amenizam e proporcionam a nós, leitores, alguma esperança, em meio a uma narrativa de conflito e solidão.

“A maçã do Chorume” é um conto protagonizado por um cachorro que já tomou parte da primeira novela. Aqui, o cão aparece sozinho e faminto, anda pelas ruas da pequena cidade num dia de festa de santo, está em busca do que comer e acaba por se fixar numa maçã do amor. Mas Chorume, nas suas travessuras para surrupiar o doce alimento, acaba por provocar um incêndio. Daí em diante, começa uma intensa correria para capturá-lo. Mas o que sobressai, entretanto, é a solidão humana, agora sob o ponto de vista de um animal.

A quarta história, toda em versos, “Canção de Mané Cotó”, traz à tona a violência da colonização portuguesa na sua impetuosa busca pelo ouro no Brasil. O conto parte do ponto de vista de um menino negro, escravo fugido que esconde uma pepita de ouro. Mas ele se defronta com Dom Moncorvo, um emissário que está em busca de indícios de ouro na colônia. O menino é o ladrão, mas não deixa de ajeitar as coisas para o nobre português. De acréscimo há a presença de escravos e mais escravos, soldados e índios, todos a serviço da Coroa.

Percorrendo as diversas narrativas desse simpático livro não é difícil detectar a filiação literária de Vereza ao universo ficcional de Guimarães Rosa. Mas não se trata de imitação, o motivo e as questões apresentadas pelas histórias remetem o leitor nesta direção.

artigos anteriores de Haron Gamal

Publicado em – Edição 115
A literatura que não deve nada a ninguém
Publicado em – Edição 114
Novelas de Vereza flertam com o realismo fantástico
Publicado em – Edição 113
Ninguém é inocente
VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 0.0/5 (0 votes cast)

Deixe um comentário