Artigos
&
 
Colunas

Iaci Malta

A ‘chupa-classe… média’

Queixo caído, boca aberta, olhos arregalados expressão congelada! Essa foi minha reação ao assistir o show da Dra. Marilena Chauí, eminente professora titular da maior universidade pública brasileira, a Universidade de São Paulo. Para quem ainda não viu o vídeo, é só buscar no YouTube.

Ou seja, fiquei estupefata frente à enxurrada de impropérios com que a eminente filósofa se referiu à classe média. Entendo que políticos frequentemente façam discursos demagógicos e até apelem para impropérios, principalmente devido à falta de argumentos para defenderem seus pontos de vista. Mas, confesso que esperava da Dra. Marilena Chauí um discurso mais compatível com toda sua sabedoria de doutora em Filosofia, eu esperaria que ela apresentasse argumentos que provocassem nossa reflexão sobre o tema do seu discurso.

Assistir esse vídeo me remeteu a um velho dito popular que diz que “a paixão anula a razão”, pois considero que esse é o caso: a Dra. Marilena Chauí deixou que sua paixão pelo PT sobrepujasse totalmente sua razão.
A classe média é conservadora, mas também cria e educa os transgressores. De onde vieram os líderes da Revolução Francesa? De onde vieram Gandhi, Marx, Lenin, Trotsky, Fidel Castro, e até mesmo Mao Tsé Tung? Não incluí “Che” Guevara porque ele é oriundo da classe alta argentina, mas acredito que seu lado transgressor foi desenvolvido na convivência com a classe média. Ah, também posso perguntar de onde veio a Dra. Marilena Chauí e a maioria dos líderes do movimento com o qual ela se identifica…

Iaci-MaltaContar uma experiência específica que sensibiliza a todos e, genericamente, responsabilizar uma classe pela injustiça ou agressão ocorrida, é tipicamente uma forma primária de manipulação política, e, principalmente, uma forma perigosa de geração de ódio indiscriminado. É uma das formas de construção de preconceitos contra grupos. Isto é, a generalização de certas características de alguns (ou mesmo muitos) elementos do grupo passa a determinar todos os seus elementos, não se vê mais o indivíduo.

E o perigo? É evidente, pois o ódio indiscriminado pode levar a uma conclusão extremamente perigosa: se algo é nefasto, abominável, deve ser eliminado! E, sendo a classe média um conceito, o que pode ser eliminado são os indivíduos que, supostamente, a ela pertencem. Imagine um grupo Black Bloc Chupa-Classe-média que, motivado pela fala irresponsável da Dra. Marilena Chauí, decida sair atacando pessoas identificadas pelo grupo como membros dessa nefasta classe, com o objetivo de exterminar a abominável classe média. Vocês se lembram da Ku-Klux-Kan? Sei que estou “pegando pesado”, mas acredito que é olhando as formas extremas de um fenômeno que podemos ter ideia de suas formas mais moderadas de manifestação.

É claro que a pessoa Marilena Chauí tem todo o direito de detestar a classe média, tem todo o direito de atribuir a essa classe social o que quer que lhe venha à cabeça. Mas, como figura pública que é, principalmente considerando seus graus acadêmicos que tendem a dar um maior peso às suas opiniões, a Dra. Marilena Chauí tem a obrigação cívica de refletir seriamente sobre as consequências de seus discursos, não tem o direito de, publicamente, ser movida pela sua raiva em detrimento da razão.

http://bit.ly/VrfGyG

artigos anteriores de Iaci Malta

Publicado em – Edição 117
Vergonha
Publicado em – Edição 115
Salvas aos cidadãos paraguaios!
Publicado em – Edição 113
O mundo mágico
VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 0.0/5 (0 votes cast)

2 Comentários para “A ‘chupa-classe… média’”

  1. Ana Flores disse:

    Excelente seu artigo, Iaci. Tinha visto esse vídeo e também fiquei horrorizada diante da irresponsabilidade e leviandade dessa doutora filósofa em seu discurso na USP.
    Um abraço
    Ana Flores

  2. Iaci Malta disse:

    Obrigada Ana,

    é muito bom saber quando alguém entende bem os alertas contidos em nossos textos. Principalmente quando nosso olhar simplesmente pragmático pode ser interpretado em termos ideológicos.
    Um abraço,
    Iaci Malta

Deixe um comentário