Saúde
&
 
Bem-estar

Questões para uma nova idade: sexualidade

Texto: Mary Scabora*

O envelhecimento promove uma série de alterações no corpo, no funcionamento do organismo e, consequentemente , na sexualidade. Compreender e aprender a lidar com tais mudanças pode evitar preocupações que muitas vezes levam a quadros ansiosos, que podem comprometer muito mais a qualidade da vida sexual, do que propriamente os problemas orgânicos. É importante entender as limitações e as mudanças para redefinir a relação com a sexualidade e buscar novas formas de prazer condizentes com sua realidade física e psicológica.

Alguns homens sentem que sua virilidade e masculinidade está ameaçada diante da dificuldade de manter ereção. Sentem-se constrangidos e as repercussões podem ser danosas para a saúde física e emocional. Muitos, na tentativa de recuperar a mesma ereção da juventude recorrem a infindáveis tratamentos e obtêm pouco ou nenhum sucesso. Com isso, pode ocorrer uma alteração no quadro de ansiedade, comprometendo o desempenho, e eles correm o risco de serem os maiores responsáveis por sua própria dificuldade sexual.

Saude-e-bem-estarApesar dos fatores culturais rotularem e tentarem enquadrar pessoas com idade avançada em um padrão de comportamento, a velhice conserva a necessidade psicológica de atividade sexual continuada, a vida sexual não chega ao fim com a velhice. Há a continuidade por pensamentos e desejos sexuais. Questões relativas ao sexo e atividades sexuais começam na mente.

A sociedade está envelhecendo e a expectativa de vida aumentou. É natural que ocorram mudanças que lançarão novos olhares para a vida sexual das pessoas que estão envelhecendo. Atividades sexuais não são exclusivas da juventude. É preciso desconstruir o preconceito social que existe em relação aos idosos sexualmente ativos. Esclarecer que o sexo e a intimidade podem continuar a ser praticados, independente de padrões de desempenho e sem culpas. Descobrir que existem outras formas de prazer sexual.

Na maturidade, o sexo é cada vez mais afetivo. Existem outras práticas sexuais que também são muito prazerosas. Sexualidade tem a ver com intimidade, com contato e sentimentos ternos entre múltiplas formas de manifestação e não somente no coito.

Algumas pessoas continuam bastante ativas mesmo na velhice. Estudos comprovam que a maior parte das pessoas com idade mais avançada é capaz de manter uma atividade sexual satisfatória. Muitas mulheres usufruem de uma vida sexual mais plena na maturidade. Após os 50 anos elas já não têm as mesmas demandas que ocupavam seu tempo e tornavam os dias mais cansativos.

Pessoas mais velhas que mantêm uma vida sexual ativa melhoram a qualidade de vida e colaboram para manifestações de sentimentos positivos para a saúde emocional. Assim, sentem-se mais confiantes, o que resulta em entusiasmo e alegria, elevando a autoestima e a segurança, aumentando a capacidade de produzir e criar. E assim viver o envelhecimento encontrando o prazer não só na atividade sexual, mas nas diversas áreas da vida.

*Mary Scabora é psicóloga clínica e psicoterapeuta corporal
www.scabora.com.br

 

MATÉRIAS ANTERIORES DE Saúde & Bem-estar

Publicado em – Edição 117
O cuidado de si como prática de vida
Publicado em – Edição 117
Vamos acabar com o mito
Publicado em – Edição 117
Mulheres equilibristas
VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 0.0/5 (0 votes cast)

Deixe um comentário